terça-feira, 2 de março de 2010

Dizer, NÂO!


Tenho-me dedicado à leitura do livro “ Diga Não, aos seus filhos”, de John Rosemond. E, se à partida as suas ideias me pareceram talvez um pouco retrógradas, cruéis ou até mesmo desactualizadas no tempo, com o folhear de página após página dei por mim a concordar com tudo, ou quase tudo o que ele dizia e a verificar que realmente ele tinha razão. Agora aconselho todos a lerem o livro.

Com toda a certeza muitas das estratégias por ele utilizadas ajudarão muitos pais, mães e educadores a lidar com algumas situações de birras dos seus filhos e a não os mimarem tanto.


O Pedro ainda dorme connosco muitas noites, apesar dos seus três anos. Primeiro, porque tem de adormecer na nossa cama e com a mãe ou o pai ao lado, foi assim habituado e a “culpa” é nossa, fomos nós que o habituámos. Na minha opinião, até esta idade também não é grave. Mas, a verdade é que ele não consegue adormecer sozinho, nós ficamos sem serão, quando ele resolve estar hora e meia sem adormecer e mal se apercebe que nos estamos a levantar chama logo mãe ou pai. Ele manipula-nos e isso é mau! Sem falar da crise de nervos que me assalta quando, depois de o adormecer e de já ter passado também pelas brasas tenho de me levantar para o colocar na cama dele (e dorme lá toda a noite) arrumar cozinha, roupa, colocar a máquina a lavar ou preparar aulas para o dia seguinte, acabando por me deitar sempre tardíssimo. Quando adormecemos antes dele, lá acaba o Pedro por passar toda a noite na nossa cama e acordamos com umas valentes dores de costas.

Ontem resolvi (influenciada por este livro) chega!

Disse ao Pedro que já tinha 3 anos e que todos os meninos com três ou mais anos, dormiam no quarto deles e na cama deles! Não dei azo a mais conversas, que ele não iria compreender. Deitei-o na cama dele, contei-lhe uma história, (ele queria duas, mas não foi só uma), pois a minha vontade tem que estar acima da dele. Deixei a luz do corredor acesa e fui fazer todas as tarefas que precisava, Ele chorou, levantou-se da cama e, depois de muito tempo sem se calar, fui ter com ele, mas não cedi! Deitei-o acariciei-lhe a cabeça e disse-lhe que não iria mais para a nossa cama. Reparei que só tinha lágrimas nos olhos, cara e pijama secos, o que significava que toda aquela choradeira ... apenas lágrimas de crocodilo. Fiquei um pouco sentada numa cadeira ao lado da dele, disse-lhe que estava com sono e que me ia deitar. Ele quis que eu me deitasse ao lado dele, eu disse que não, que a mamã dormia com o papá. Sai apaguei a luz e ele ficou a dormir até de manhã. A partir de agora vou tentar manter a mesma rotina, não posso fraquejar.

O que acham? É crueldade?

2 comentários:

Nany disse...

Não, de forma nenhuma. Temos de ser firmes na educação deles.
Tenho de ganhar coragem e fazer o mesmo, é que o Pedrocas até acorda de noite para vir para a nossa cama.
Bjks

Carla Isabel disse...

Ora aqui está uma das minhas!!!!!
Minha querida sempre fiz isso com os meus filhos...tenho 3!
Agora a Madalena quer ser que o papa fique com ela no quarto até adormecer, porque deixou a chucha há puco tempo ...
Mas os meus filhos sempre se deitaram na caminha deles e adormeciam sozinhos eu deixo uma luz de presença acesa no hall de entrada e pronto!
Parabéns pelo bom trabalho!

Bjs